Tutoriais e Técnica

Como escolher uma barraca

As barracas são fabricadas em modelos diversos que servem para as mais variadas situações, indo desde campings em praias e campos até acampamentos em alta montanha (acima dos 4-7 mil metros de altitude). Saber escolher uma barraca levando em conta as suas necessidades é importante, por isso eu vou reproduzir aqui no blog um artigo publicado no blog Azimutantes onde o pessoal fala sobre os tipos de barracas, suas características principais, dicas para o transporte e conservação.

Seja para alta montanha ou para um camping na praia, elas estão sempre presentes nos abrigando das tempestades ou do sol escaldante. Nos dias de chuva contí­nua uma boa barraca é a garantia de equipamentos secos e noites bem dormidas. Neste artigo tentamos fornecer alguns detalhes e informações que poderão ajudar na hora da escolha da barraca ideal.

Tipos de barracas:

Vários são os modelos de barracas que encontramos no mercado, cada qual com seus pontos fortes e fracos, cabe a cada um escolher aquele que melhor lhe atenda. Abaixo separamos alguns modelos mais indicados para excursionismo.

1. Canadense:


Barraca em formato triangular, tem pouco espaço interno se comparada com os outros modelos além de ser muito pesada devido a sua armação que geralmente é feita de aço. Foi muito utilizada antigamente mas atualmente está fora do mercado.

2. Iglu:


Bem conhecido hoje em dia, este modelo em formato de iglu é constituído basicamente por duas varetas que se cruzam e que mantém a barraca armada mesmo ser estar especada, também tem boa resistência ao vento e não é tão pesada quanto as barracas canadenses.

3. Tubular:


Barraca em formato de túnel, bastante resistente ao vento e leve devido sua estrutura ser composta apenas de varetas curvadas, possui bom espaço interno. Diferentes das barracas iglu, as tubulares tem que ser especadas para que fiquem armadas.

4. Geodésica:


Barraca semelhante a iglu mas com a disposição das varetas diferente para melhorar a resistência aos fortes ventos de montanha, normalmente são compostas de três varetas ou mais de alumí­nio 7075.

5. Armação por Polos:


Este modelo não muito difundido aqui no Brasil é constituído basicamente por um teto de nylon que é sustentado por bastões de caminhada ou amarrado em árvores, alguns modelos possuem um piso opcional que pode ser adquirido separadamente. Ótimo para quem procura proteção e leveza. Este modelo é comercializado no Brasil pela Black Diamond.

CONDENSAÇÃO:

Este fenômeno acontece em quase todos os tipos de barracas, da mesma forma que acontece no banheiro quando tomamos banho quente e o vapor se condensa ao encontrar o azulejo frio acontece com a nossa respiração e com a transpiração do corpo que aquecem o ar no interior da barraca e o mesmo ao encontrar a superfície gelada do nylon se condensa. O problema da condensação é onde ela ocorre, nas barracas com sobre-teto total a condensação ocorre no sobre-teto escorrendo para o chão e não para o interior da barraca, diferente das barracas sem sobre-teto onde a condensação acontece no nylon interno e escorre diretamente para o piso da barraca molhando os equipamentos e roupas que ali estiverem. A ventilação também é fator importante pois quanto melhor for a troca de ar menor será a possibilidade de ocorrer condensação.

CARACTERÍSTICAS:

Existem algumas características que variam dependendo do modelo de barraca e do fabricante, abaixo estão listadas as principais:

Varetas: São a estrutura da barraca, geralmente são conectadas internamente por um elástico que facilita na montagem e desmontagem, normalmente são feitas de fibra de vidro oca ou de tubos de alumí­nio aeronáutico:

Fibra de Vidro: Mais barata que a de alumí­nio porém mais pesada e frágil. É indicada para camping convencional onde as condições climáticas não são tão exigentes.

Alumí­nio: Feita de tubo de alumí­nio extrudado 7075 é mais leve e resistente que a fibra, ideal para situações de ventos fortes, neve e onde o peso faz diferença como em longas caminhadas ou escaladas de alta montanha.

Costuras Seladas: Garantem a impermeabilidade das costuras e protegem as linhas por mais tempo.

Nylon Rip-Stop:Trata-se de um tipo de nylon que se por ventura for perfurado impede que o rasgo aumente inutilizando a barraca, utilizado por poucos fabricantes de barracas nacionais.

Barracas sem sobreteto:

As barracas são constituídas pelo corpo e pelo sobre-teto, em algumas barracas o corpo é praticamente todo em nylon impermeável com uma pequena parte de tela na porta e no topo da barraca e o com um pequeno teto de nylon que cobre apenas a parte de tela do topo. Neste modelo a condensação é comum pois a ventilação não é eficiente. Hoje em dia existem alguns fabricantes internacionais que produzem este tipo de barraca com tela apenas na porta, sendo o corpo todo de tecido especial impermeável e respirável eliminando o problema da condensação. A vantagem deste modelo é a leveza devido a pouca quantidade de pano.

Barracas com Sobreteto:

Nas barracas que possuem o corpo de tela ou nylon respirável e sobreteto de nylon impermeável o problema da condensação é quase nulo (podendo ocorrer no piso) pois é criada uma camada de ar entre o sobre-teto e o corpo, melhorando a circulação de ar e também possibilitando que a condensação ocorra no sobre-teto e escorra para o chão e não para o piso da barraca. A distância que o sobre-teto fica do chão faz diferença, quanto maior a distância maior é a ventilação, para climas frios é aconselhável que o sobre-teto fique próximo ao chão mantendo assim o ar quente no interior da barraca.

Coluna d’água:

Hoje em dia alguns fabricantes tem fornecido um valor para a impermeabilização do tecido, esse valor é resultado de um teste em coluna d’água, esse valor é especificado em milí­metros, por exemplo: 1500mm. Valores entre 1000 e 1500 são suficientes para o clima brasileiro.

Tirantes (cordinhas): São pontos de reforço laterais que servem para dar mais estabilidade a barraca nos dias de ventania ou em temporais.

Tomadas de ar (dutos de ventilação): Ajudam na ventilação da barraca e podem ser fechadas se necessário.

Avanço ou Avancê: Trata-se de uma área útil onde podemos deixar mochilas, botas, materiais de cozinha, etc ou utilizarmos de cozinha em dias de chuva. Esse é um item importante na barraca pois possibilita um ganho de espaço interno.

Sobre-teto Aluminizado: Alguns fabricantes costumam tratar o sobre-teto com um pigmento aluminizado para melhorar o isolamento térmico, segundo testes esta pigmentação pode reduzir a temperatura interna em até 7ºC nos dias de sol forte.

Saia: Atualmente as barracas voltadas para neve vem acompanhadas com uma saia que pode ser enterrada na neve para impedir a ação dos fortes ventos e manter o ar quente no interior da barraca.

Como transportar:

Geralmente as barracas vem acompanhadas de uma sacolinha de transporte que é muito útil quando vamos acampar de carro ou quando não vamos nos locomover muito, mas quando surge a necessidade de acondicionarmos a barraca na mochila a sacolinha torna-se dispensável e a barraca pode ser dividida pela mochila. As varetas podem ir no lado de fora da mochila, na posição vertical enfiadas no bolso lateral inferior e presas nas fitas de compactação. O teto e o sobreteto podem ser colocados no fundo da mochila junto com os espeques.

Estações:

Na América do Norte eles costumam definir as barracas por três estações ou quatro estações, uma barraca três estações é projetada para ser usada na primavera, verão e outono mas não é suficiente para aguentar uma tempestade de inverno, sendo então necessário uma quatro estações. Lembrando que estas estações estão relacionadas ao clima de lá.

Antes de comprar sua barraca verifique os seguintes fatores:

– Para qual atividade e para quantas pessoas ela será usada.
– Qual é o clima do local onde será usada.
– Peso e volume
– Espaço Interno
– Ventilação e facilidade para armar

Como conservar sua barraca:

– Nunca guarde ela molhada ou úmida, isso pode causar mofo e inutilizar sua barraca.
– Procure não entrar com sapatos ou botas no interior barraca, evitando rasgos e sujeira.
– Procure sempre retirar pedras e galhos do terreno onde será armada a barraca; além do desconforto causado durante a noite podem perfurar o piso da barraca;
– Não utilize chamas dentro da barraca.
– Areia e sujeira podem causar sérios danos nos zíperes, mantenha-os sempre limpos, uma escova de dente é uma boa ajuda na hora da limpeza.
– Apesar de alguns fabricantes utilizarem um tipo de protetor solar nos tecidos a exposição prolongada da barraca ao sol e consequentemente aos raios UV altera a cor do tecido e degrada o tratamento impermeabilizante, esse efeito pode ser minimizado armando a barraca em lugares com sombra ou onde não bata sol o dia todo.
– Lave a barraca apenas com água e sabão neutro.

Dicas:

– Caso a barraca seja nova, monte-a em casa antes de ir para o campo evitando problemas inesperados.
– Antes de desmontar a barraca feche os zí­peres, isso facilita bastante quando for dobrá-la.
– Algumas pessoas tem o hábito de cavar canaletas em volta da barraca para drenagem da água da chuva, esta prática está obsoleta pois degrada o local e traz sérias consequências para o terreno.
– Procure um terreno plano, terrenos inclinados causam desconforto durante a noite e podem ser passagem de água em caso de chuva, observe também se não há risco de alagamento.
– Monte a barraca no sentido do vento, isto ajuda a manter a estabilidade da mesma.
– Com o tempo a barraca pode perder um pouco da impermeabilização exigindo que o tecido seja tratado novamente, existem no mercado produtos para esta finalidade tais como NIKWAX, 3M, etc.
– Mantenha a barraca bem esticada evitando que o sobreteto encoste no corpo e molhe o interior.

Por Marcelo Ney Wood (Fonte: Azimutantes)

Trekker, montanhista, mochileiro e ciclista. Pratica esportes outdoor desde 1990. Apaixonado por equipamentos, fotografia, viagens, ciclismo, cerveja e tecnologia.

27 Comments

  1. Sempre que forem comprar barraca para trekking, comprem de preferencia modelos auto-portantes, que se possa mudar de local sen ter que desmonta-las.
    As não auto-portantes, ou seja, que só tem uma vareta, precisam ser especadas para que fiquem armadas. Caso queira mudar de local, tem que desmonta-la. Perde-se muito tempo.
    Outro aspecto; em lugares em que o solo é rochoso, como já aconteceu comigo na Chapada Diamantina, fica difício armar (especar) as barracas não aouto-portante.
    Sds,
    B. Scherer.

  2. Otimo post, Mario!

  3. Mario, o que você acha da barraca trilhas e rumos cota 2, parece ser um bom custo beneficio, além de ter os principais pontos que você citou, ainda apresenta 2000mm de coluna d’água e é auto-portante.

  4. Então Diego, eu gosto muito das barracas deles, já peguei muita chuva com elas em alguns lugares e não tive problemas. Não tenho barraca da T&R por um único motivo: eu acho elas pesadas demais! Costumo acampar sozinho ou em grupos onde todos usam as suas barracas e raramente dividimos uma barraca. Além do fator peso eu levo em conta o fator volume, por causa do espaço ocupado na minha mochila… Resumindo, são ótimas barracas, mas se você precisa delas para travessias ou trekkings longos onde você estará sozinho poderá ser melhor escolher uma mais leve… Se a T&R desenhasse uma barraca leve e com um bom espaço acho que venderia muito bem, baseado nas boas características das barracas atuais deles!

    1. estou pensando em comprar uma bivaque da t e rumos e descartar os espenques será que daria certo ? usando pedras dentro da barraca como peso ! vi um video o cara fazendo isso com uma nini pack .Em uma segunda opção faria isto com a falcon 2 que é auto portante .

  5. Mario, acredito que tenhas razão, acho que esse é um dos grandes fatores que peca a T&R, a Cota 2 chega a ser quase o dobro do peso da Nepal. Agora se a Azteq fizesse uma barraca com as qualidades que já tem sendo auto-portante, seria praticamente perfeito. Moro no sul, SC pra ser mais exato, então acho que não terei problemas com a Nepal.

  6. Excelente matéria, muito esclarecedora!
    Estarei utilizando as dicas postadas aqui no meu blog.

    1. Pode usar sem problemas, apenas mantenha o link para a fonte original! Obrigado pelo comentário e pela visita! Abs!

  7. Olá, Mario! Valeu pelas dicas! Estou buscando uma barraca leve, resistente à chuva, para duas pessoas. Vc teria alguma dica? Sei da Nepal, da Azteq, mas gostaria de uma que fosse auto-portante…. Abraços! Valeu!!

    1. Oi Eliane, infelizmente no mercado nacional não temos nada assim ainda, o que chega mais perto seria a Cota 2 da Trilhas e Rumos, mas aí ela esbarra no peso. Mesmo com a recente mudança que eles fizeram colocando varetas de alumínio ela ainda tem 2,6Kg. Se este valor já estiver dentro da sua ideia de peso, ela poderia ser uma boa opção. São não gosto muito do avanço relativamente pequeno e do desenho da porta. Abraços!

      1. Valeu, Mario! Estava pensando em algum modelo mais leve, com uns 2 kg… E agora surgiu a oportunidade de meu irmão trazer uma dos EUA… Você teria alguma dica? Vi que a Ferrino e a Marmot tem algum modelos…

        1. Se for para trazer de lá eu escolheria alguma coisa da Big Agnes, Mountain Hardware ou MSR. A Ferrino eu não sei como está atualmente, mas antes tinha ótimas barracas; já a Marmot eu tenho uma e para o nosso clima eu acho que ela dá problemas com a impermeabilização depois de pouco tempo, para efeito de comparação entre a minha Marmot Earlylight 2p e a minha Nepal 2 acabo ficando com a Nepal por causa desse detalhe da impermeabilização.

  8. Ola Mario!! Eu estava querendo comprar a Nepal 2 porem tenho 2 dúvidas.
    1- Ela não é auto-portante, vc que já acampou em vários lugares do Brasil já passou por alguma dificuldade por ela não ser auto-portante ?? No meu caso até hoje nos lugares que eu acampei sempre teve chão de terra/grama (Ibitipoca, ico da bandeira, Itatiaia e etc).
    2- O modelo antigo da Nepal 2 pesava 1,95 kg e tinha 3000mm de sobreteto, agora o novo modelo tem o dobro de sobreteto (6000mm) porem agora ela pesa 2,5 kg, vale a pena pegar o novo modelo com esse peso a mais, porem com melhor impermeabilização ou para o Brasil um sobreteto de 3000mm já esta de bom tamanho ??
    Abração..

    1. Olá Asllan, boas questões. Respondendo:

      1. Nunca tive problemas com a falta de portabilidade da Nepal, mas realmente isso é uma limitação dela. E não só dela, mas de muitos modelos de barracas mais leves e com menos varetas. Existem modelos ultra-leves importados que não apresentam este problema, mas que são bem mais caras que a Nepal.

      2. Sim, o sobreteto com 3000mm é mais do que suficiente, acima de 1200mm o sobreteto já te protegerá muito bem. O problema será encontrar a barraca com do modelo antigo. Na web é normal que algumas lojas não atualizem todos os dados dos produtos, o que pode fazer com que você veja um anúncio do modelo antigo e na verdade já se trate do novo, ou vice-versa. Neste caso vale comprar ao vivo na loja, assim você não “erraria”. E um comentário final: quanto a eficiência, a Nepal é a minha barraca preferida entre as que tenho aqui, batendo inclusive a minha Marmot – principalmente no quesito impermeabilidade. Abs!

      1. Obrigado Mario, eu já andei pesquisando no mercado livre e tem alguns anúncios do modelo antigo sim, vou bater o martelo na Nepal 2 então, muito obrigado pela ajuda e parabéns pelo site e pelos reviews..

      2. Marcio, uma última duvida (apesar de já imaginar sua resposta kkk) entre a Nepal 2 e a Trekking 2 (da Guepardo) que são de estilos diferentes como pude me informa no artigo do site Trekking Brasil (Aprenda a escolher uma barraca) a Nepal 2 seria a melhor escolha correto ?? Grato..

        1. Sim, são barracas diferentes. Barracas que são armadas com bastões de caminhada são uma solução bem legal para redução de peso – caso a pessoa já leve os bastões normalmente. Porém elas resistem menos aos ventos fortes. Neste caso, por esta questão e por características técnicas, eu ficaria com a Nepal. Abs!

          1. Muito obrigado Mario, vou ficar com a Nepal mesmo, encontrei o modelo antigo na Pro Adventure, abração..

      3. Mario, kkkkkkkkkkkkkkk desculpa ficar perguntando muito mas eu esqueci de te perguntar sobre uma dúvida que estou referente a sacos de dormir, eu estou em dúvida entre o Deuter Lite 500 (preço mais salgado) e o Nautika Micron X-Lite (preço mais em conta), os dois tem praticamente o mesmo peso (incrivelmente o Nautika pesa 30g a menos que o Deuter).
        1- Independente do preço, levando em consideração somente a qualidade, qual vc me indicaria ??
        2- A sua indicação me atenderia bem a nível Brasil ?? Se não, somando o Liner Thermolite Reactor Extreme atenderia ??
        Futuramente vou comprar um Liner Thermolite Reactor Extreme que vi o review aqui que vc fez pra agregar o aquecimento sem aumentar o peso trocando por outro saco melhor.
        Abração..

        1. A nível Brasil fora do inverno ou de Serras mais altas sim. Ambos são sacos de dormir para temperaturas positivas, em muitos lugares mais altos as temperaturas chegam a cair abaixo de zero, mesmo em regiões fora do sul do país. Num casos assim, ambos não dariam conta, mesmo com o liner extra. Saco de dormir é uma coisa que eventualmente precisamos ter mais de um, dependendo das atividades que você faz. E outra dica, ao escolher um saco de dormir tenha em mente que a temperatura extrema informada no saco de dormir não deve ser levada em conta, escolha o saco se basenado no máximo na temperatura limite, nunca na extrema. Abs!

          1. Entendi, no caso então seria melhor eu comprar um Deuter Orbit -5 e ficar só com ele pro Brasil não ?? Ou seria um exagero ?? O problema é o peso dele, 1,5 kg..

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.